terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Enade terá mudanças para aprimorar avaliação e melhorar metodologia de provas

O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) passará por mudanças em 2016 para aprimorar a avaliação das instituições de ensino superior. O anúncio foi feito pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) nesta sexta-feira, 18, em entrevista coletiva para divulgação dos dados do Enade 2014.
Entre as iniciativas, o ministro destacou o aperfeiçoamento da metodologia de construção de provas do Enade. Na proposta do Inep, o cálculo do conceito do exame passará a conferir, no lugar de uma nota, níveis de proficiência de estudantes por curso. "O nível de proficiência dos estudantes é mais correto e mais justo, o estudante vai estar em um patamar independente das outras instituições. Hoje o resultado das outras instituições interfere demais com o conceito do Enade", explicou Mercadante.
Pela proposta, o Enade passaria a ser um dos critérios para acesso à pós-graduação e entraria no histórico escolar do estudante. Outra iniciativa é o Enade Digital, que tem como objetivo tornar o exame universal e anual para todos os concluintes. Todas as propostas serão discutidas em audiências públicas.
O Enade é uma avaliação de rendimento dos alunos ao ingressarem e concluírem cursos de graduação. O exame, que compreende os conteúdos dos cursos em que estão matriculados, é trienal para cada área do conhecimento.
Preliminar – No ano passado, a grande maioria dos cursos avaliados, 85,72%, apresentou desempenho satisfatório (3, 4 e 5) no Conceito Preliminar de Curso. A maioria das notas 4 e 5 foram apresentadas nas instituições públicas: 36,38%. Nas particulares, o percentual de cursos com esses conceitos foi de 25,64%.
O indicador é calculado com base na avaliação de desempenho dos estudantes, corpo docente, infraestrutura da instituição e organização didático-pedagógica. No ano passado, foram avaliados 9.963 cursos de 43 áreas do conhecimento.
As áreas e eixos de conhecimento foram ciências exatas, licenciaturas, controle e processos industriais, informação e comunicação, infraestrutura e produção industrial. O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), que compõe o Conceito Preliminar, contou em 2014 com 396.862 concluintes participantes, de 43 cursos.
Instituições – Obtiveram conceitos satisfatórios no triênio 83,91% das instituições de ensino superior. A exemplo do Conceito Preliminar de Curso, no Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição, as instituições públicas se destacaram. Dentre as que obtiveram nota 4 no indicador, 32,27% são públicas e 15,8% são particulares. Já dentre as que apresentaram o conceito 5, as públicas representaram 4,55%, enquanto as privadas somaram 1,18%.
O Índice Geral de Cursos é resultado da média ponderada do Conceito Preliminar de Curso, indicador de avaliação de cursos de graduação, e obedece a um ciclo de três anos, em combinação com o resultado do Enade, que mede o desempenho dos estudantes.
O cálculo foi feito para 2.042 instituições, considerando as avaliações dos cursos de graduação feitas no triênio 2012-2013-2014 e as matrículas (matriculados e concluintes) de acordo com os censos da educação superior do período.
Perfil – Dos concluintes que participaram do Enade, 35% são os primeiros na família com acesso ao ensino superior. É o que mostra levantamento feito a partir do questionário socioeconômico, preenchido pelos estudantes. Os dados também apontam que 47% dos estudantes têm, pelo menos, um dos pais que cursou até o ensino fundamental. Outros 9,8% têm, pelo menos, um dos pais sem nenhuma escolarização.
De acordo com a pesquisa, 19% dos estudantes entraram no ensino superior por meio de políticas de ação afirmativa ou inclusão social. Na maioria dos casos, o ingresso se deu em função de terem estudado em escola pública ou particular com bolsa.
Para cursar o ensino superior, 30,3% do total de estudantes contaram com algum tipo de financiamento ou bolsa ao longo do curso. Considerando-se somente as instituições particulares, 46,8% tiveram financiamento ou bolsa.
A metade dos financiamentos ou bolsas foi concedida pelo Governo Federal, sendo que 56% dos estudantes beneficiados têm renda familiar de até três salários mínimos e 36% ingressaram por meio de ações afirmativas.
Fonte: www.inep.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário