quarta-feira, 15 de julho de 2015

CONCURSOS PÚBLICOS PARA DOCÊNCIA DIRECIONADOS PARA BENEFICIAR CANDIDATOS CASEIROS

Tenho recebido insistentes contatos relatando casos de concursos públicos para docentes em universidades públicas que são conduzidos de forma a beneficiar determinados candidatos denominados de CASEIROS.
Não é o caso de generalizarmos esse tipo de conduta, mas é importante fazermos uma análise desse tipo de certame e o que se pode fazer para garantir uma maior lisura nesses concursos.
Via de regra, essas comissões designadas para conduzir os concursos pertencem aos quadros do próprio  departamento que está realizando o concurso público, sem a participação de agentes externos.
De certa forma o favorecimento dos candidatos caseiros, ex-alunos de graduação e/ou pós-graduação no departamento executor do concurso, começa pela montagem do programa do concurso, suas referências bibliográficas e exigências do edital. O candidato caseiro conhece detalhes específicos desde a visão da banca sobre os temas que serão usados na seleção até questões administrativas de ordem interna, que são difíceis de serem visualizadas por um candidato que não conhece a realidade local. Muitas vezes há conflitos de informações entre a documentação do concurso o site da Instituição de Ensino Superior (IES).
Em geral, esses concursos possuem fases eliminatórias (prova escrita (PE), prova didática (PD), defesa plano de atividades (PPA)) e outras apenas classificatórias (Análise de Currículo Vitae (PT)). Dessas fases, a menos propensa a interferência da banca é a prova escrita , que se for bem executada, a banca não tem como favorecer o candidato caseiro. O candidato disserta sobre um dos temas do programa, que é sorteado na hora da prova e na presença dos candidatos. É proibida a identificação do candidato e há a prevalência do mérito acadêmico. Nas duas próximas fases (PD e PPA), a banca pode favorecer o candidato caseiro. Apesar de serem gravadas, muitas vezes apenas em áudio,  a condução  fica bastante possível. Nos relatos recebidos, fica clara a postura bastante rigorosa das bancas em relação aos candidatos ESTRANGEIROS e uma postura bastante tolerante e acolhedora para com os candidatos caseiros.
A subjetividade inerente do julgamento dessas duas etapas eliminatórias permite à banca conduzir o processo de forma a favorecer aquele que candidato que foi aluno, que foi professor substituto e que está em sintonia com o grupo dominante no departamento que realiza o concurso. É a endogenia, favorecendo a perpetuação do grupo dominante e suas ideias.
Outra coisa que chama a nossa atenção é o pouco caso para com os aspectos pedagógicos. Em geral, principalmente, nas áreas mais técnicas, os docentes  reproduzem um modelo que reina em seu meio, sem buscarem fundamentação didática ou aprofundamento maior. Aprenderam assim e vão continuar ensinando da mesma forma como aprenderam porque é o que é aceito pelo grupo do qual fazem parte.
Em geral, o concurso público no meio universitário no Brasil está pautado nessa linha de atuação desvirtuada  e vem sistematicamente distorcendo o sentido maior da concorrência e da competência como critério básico para acesso aos seus quadros.
Está lançada a discussão ! Como podemos mudar ?

CONTATOS:
Linkedin: Severino Paiva
Facebook: Severino Paiva
www.professorpaiva.blogspot.com
paiva.professor@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário